No mês passado, o Ministério do Turismo divulgou uma pesquisa onde aponta que 51% dos donos de animais de estimação só viajarão em 2020 se puderem levar seus aumigos. O que isso significa?  

Significa que ou o setor hoteleiro se adapta a esta nova realidade, ou perderá uma fatia significativa de mercado. Um estudo do Instituto Pet Brasil estimou a presença de 139,3 milhões de pets no Brasil em 2018. 

 

Na ânsia por abocanhar essa fatia do mercado, muitos hotéis utilizam o título pet friendly sem qualquer parâmetro. Na sua tradução ao pé da letra, o termo significa algo como “amigo dos animais”. Quando um estabelecimento se autointitula pet friendly, significa que, neste local, seus pets serão muito bem-vindos, aceitos e podem permanecer. Será? 

No caso específico dos hotéis, muitos seguidores me procuram para fazer denúncia, falar sobre sua insatisfação e desapontamento. São estabelecimentos que acabam utilizando o termo, mas não entendem o que significa. É importante saber diferenciar um local que aceita animais de um local que é pet friendly. E, para quem é mãe ou pai de pet a minha dica é: pergunte. apure todos os detalhes antes de pegar estrada! 

Os hotéis precisam ser claros na hora da reserva informando quais serviços oferecem aos pets para que o tutor consiga identificar se este local é o ideal ou não para realizar a sua viagem. Por exemplo, obrigar o hóspede a assinar um termo onde o cachorro não pode latir! os donos conhecem seus bichinhos de estimação e, se sabem que eles latem excessivamente, dificilmente irão levá-los para se hospedar longe de casa.   

Entre outras bizarrices, não permitir que o bichinho fique sozinho no quarto ou frequente o salão para o café da manhã, mas não oferecer nenhuma opção onde ele possa ficar. Só permitir a circulação com o pet se for no colo do tutor. Não permitir que ele frequente áreas comuns do empreendimento, também é algo usual em locais que aceitam animais, mas não são pet friendly. 

Hotéis que cobram taxa para hospedagem pet devem oferecer uma contrapartida, seja na hospedagem com caminhas ou potinhos para ração e água, brinquedos, áreas comuns e de lazer que eles possam usufruir e atividades que os donos possam fazer juntos com seus bichinhos. Isso é turismo pet friendly! Ninguém viaja com seu melhor amigo para ficar trancado no quarto com ele, não é mesmo? 

Por isso a dica é, para os estabelecimentos, se você quer ser pet friendly, busque se informar e investir em uma infraestrutura que suporte este novo hóspede. Faça com que ele e seu dono seja bem-vindos de verdade. Deixe claro aos hóspedes quais as regras impostas, bem como os benefícios. Explore esse novo mercado de forma leal e justa. 

E aos donos, se informe. Ligue e tire todas as suas dúvidas para não cair em nenhuma armadilha. Afinal de contas, a vida é muito melhor com eles!

Patrícia Camargo, mãe do Armandinho e da Nina, os Dogs Influencers @euvoceeospets