No período do isolamento social, muitos pais e mães de pets devem ter percebido como o animalzinho ganhou alguns quilos a mais. O aumento do peso deve-se a inúmeros fatores como diminuição das atividades físicas, aumento de quantidade de pessoas em casa e, consequentemente, maior número de refeições diárias ou também pode estar ligada à doenças mais graves. Segundo pesquisa da USP (2020), apenas na cidade de São Paulo cerca de 40% dos pets são considerados acima do peso. Pensando no bem-estar do animalzinho, a veterinária Thaís Matos, da DogHero, maior empresa de serviços para pets da América Latina, listou algumas dicas para colocar o pet em forma.

Nina e Armandinho focados!

 

Confira abaixo:

1- Por que cachorros engordam?

As causas mais comuns de cachorros obesos são a alimentação inadequada e pouco exercício físico. Principalmente em tempos de quarentena e com a mudança da rotina, o pet pode ter tido uma alimentação inadequada, além da diminuição dos passeios ao ar livre. Assim é natural que o pet apresente alguns quilos a mais, mas os tutores devem se atentar à saúde e bem estar do cachorrinho. “A obesidade canina é uma das principais doenças que acometem os pets. Principalmente neste período de mudança de comportamento, os animais podem ter engordado um pouquinho. Agora é ideal tentar manter a rotina de alimentação com horários e quantidade fixas de ração. O tutor deve consultar o veterinário de confiança para ele avaliar qual é a melhor opção para o pet e até se ele precisa de uma opção light e entender a razão da obesidade. Se surgiu com a mudança de rotina ou se está ligada à alguma doença mais grave, como a disfunção hormonal”, lembra a especialista.

 

2- Qual a quantidade certa de exercícios?

Principalmente para pets que vivem em apartamentos, os tutores devem manter uma rotina de passeios adequada para cada raça, tamanho do pet e condição de saúde do pet. “O passeio vai fazer com que o cãozinho gaste energia, perca peso e tire a ansiedade que muitas vezes é descontada nos móveis e destruição de sapatos dos tutores. O pai ou mãe de pet também deve entender com o especialista a quantidade certa de exercícios físicos, de acordo com as características do cachorro. Mas, no geral, é recomendado pelo menos uma caminhada de 20 minutos ao dia”, comenta Thais Matos.

Em tempos de pandemia, os tutores devem retomar os passeios em horários alternados para evitar aglomerações e nunca deixar outra pessoa tocar no animalzinho, a fim de evitar possíveis contaminação por meio do cãozinho, que pode atuar com um vetor do novo coronavírus. Além disso, o tutor deve sempre limpar as patinhas do pet com água e sabão neutro ou de coco e também higienizar as guias. Caso o tutor ainda não queria sair de casa, ele pode investir em atividades internas: “Outra forma de fazer o seu gastar energia, é oferecer o enriquecimento ambiental com brinquedos inteligentes, petiscos escondidos pela casa e brincadeiras pontuais. Essas atividades farão o pet se movimentar”, finaliza.

 

3- Quais os riscos da obesidade canina?

O excesso de gordura não é apenas incômodo para os cães, ela também pode desenvolver outras doenças perigosas e maléficas para a saúde do pet. “Os ossos e articulações de um cachorro acima do peso são prejudicadas pela sobrecarga de peso, especialmente se o cãozinho já apresenta alguma predisposição a problemas ortopédicos. Cães acima do peso têm uma maior predisposição a fraturas, artrites, rupturas de ligamentos e diabetes, além de maior risco de óbito em procedimentos anestésicos em caso de cirurgias. Além disso, cães braquiocefálico (focinhos achatados) podem apresentar uma maior dificuldade em respirar”, lembra a veterinária da DogHero.

 

4- Como diminuir o peso do animal?

O primeiro passo é consultar um veterinário de confiança para ele criar um plano saudável para reverter a obesidade canina. O especialista vai levantar o diagnóstico, além de investigar a razão da obesidade. Após a consulta, o tutor deve colocar e seguir corretamente o plano de alimentação e exercícios definidos pelo veterinário com horários de refeições e exercícios definidos. “O ideal é que o cachorro adulto coma duas vezes ao dia, os filhotes devem ser alimentados três vezes e sempre nos horários que o veterinário definir. O tutor também deve evitar petiscos industrializados, pois são ricos em gorduras e carboidratos, pobres em nutrientes e podem tirar o apetite para a ração equilibrada”, finaliza a especialista.

 

Leia também: Como acostumar seu pet para a pós pandemia